Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Unicórnio

O dia a dia de um Unicórnio. Suas inspirações, aventuras e desaires.

O dia a dia de um Unicórnio. Suas inspirações, aventuras e desaires.

O Unicórnio

03
Mar17

...


O Unicórnio

FRANCISCO PRAIA.JPG

 No ano passado era uma bola de carne e está quase na universidade não tarda.

 

O Francisco vai para a creche. Sinto-me ligeiramente ansiosa, com um nó de marinheiro no esófago, as pernas tremelicam, o beiço superior treme e o coração galopa, mas não irei falecer.

Quando eu e mêrapaz tomámos esta decisão, ouvimos alguns contras.

 

“As crianças estão bem é com as mães em casa”.

Não, para mim, não estão.  As crianças precisam de brincar com crianças, de aprenderem a partilhar, também a brigar, respeitar, perdoar, terem limites e experenciar outros ambientes fora do ninho que nós, mães, construímos à volta dos nossos filhos, impenetrável, limpinho e livre de germes.

Em casa a dinâmica a dois começa a tornar-se desgastante para ambos. Como vivemos num apartamento e o tempo invernoso não permite grandes passeios - apesar de sairmos todos os dias e de ele estar várias vezes com a avó – sinto que precisa de abrir as asinhas e dar-se ao mundo. Só eu já não lhe chego e a energia que tem é demasiada para estar contida entre quatro paredes.

Março não é a melhor altura para arranjar vaga numa creche. Conseguimo-la numa localidade aqui bem perto, com ambiente familiar e onde funciona também um centro de dia. Uma mais valia, penso.  Acho fantástico idosos e crianças conviverem e passarem tempo juntos, trocando experiências e afectos.

Certamente que os primeiros dias não serão fáceis, foram  vinte meses a vivermos um com o outro, mas, é na certeza que ele será feliz na companhia de outros meninos que o meu coração se alegra.

Já temos o bibe “pirosamente” bordado, o panamá e toda uma lista necessária para que o pequeno unicórnio na próxima segunda feira descubra o maravilhoso mundo que existe por aí. Desejo que goste de conviver e de nele se aventurar tanto como sua mãe.

“Uma educadora de infância não substitui a mãe e só tu conheces o teu filho”. Verdade. Só eu o conheço por inteiro. Sei porque chora, porque ri, o que o aborrece, como gosta de adormecer, comer, as músicas preferidas, mas não é por isso que deixo de confiar na educadora que o irá acolher, a Marisa. Confio-lhe o meu filho de mãos abertas na esperança de que o ajude a explorar novos mundos e que seja mais uma fonte afectos, a juntar-se à enorme família do Francisco que tanto o adora.

 

“A creche só serve para os miúdos apanharem doenças”.

Varicela, sarampo, papeira, diarreias a rodos, otites, amigdalites, tive todas. Aqui estou eu, vivinha.

Sei que nos primeiros meses apanhará as bichezas que por lá andarão a passear, mas valha-me Deus, crianças precisam de ganhar anticorpos, de se exporem ao mundo dos vírus (desde que não seja nada de grave, obviamente, largarto, lagarto, lagarto) e já passei a fase em que ao primeiro espirro do Francisco ligava ao pediatra. Estou preparada para a guerra de bichezas que por aí aparecerá.

“Na creche os miúdos mordem, são mordidos, magoam-se”.

Ora bem. Aqui está um temazinho engraçado. Os miúdos brigam e têm más ideias, tal como têm alguns adultos. Sei que aparecerá com mazelas e ele próprio infligirá algumas.  É claro que se ele morder os amigos ou aparecer em casa mordido, não acharei piada, mas não vestirei a máscara de combate e não aparecerei na creche à procura da mãe da criança que o mordeu para lhe dar umas galhetas. Gente, paleolítico, só gosto da alimentação.  Crianças são crianças, também brigam, também se zangam, é sinal que estão a crescer e nós mães, só temos que tentar apaziguar o que morde e aquele que é mordido.

E pronto. O texto acima só serviu para me mentalizar que o meu pequeno unicórnio vai para a creche.

Agora, vou só ali hiperventilar para um saco de papel, aproveito e vomito de tantos nervos, limpo as lágrimas e tenho que “arrepiar caminho” como dizia a minha avó e mentalizar-me que mãe sofre e que isto é só o início. Porra, isto é só o início.

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D