Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Unicórnio

O dia a dia de um Unicórnio. Suas inspirações, aventuras e desaires.

O dia a dia de um Unicórnio. Suas inspirações, aventuras e desaires.

O Unicórnio

08
Abr15

Aí está! Ode ao verdadeiro campista.


O Unicórnio

Durante quase vinte anos que eu e a minha família, passámos férias em Peniche no parque de campismo. Escusado será dizer que eu e a nha`irmã, adorávamos os verões cheios de sol e liberdade ao ar livre. Estar no parque era como estar com amigos. Todos nos conheciam e tomavam conta uns dos outros.

 

O ritual era sempre o mesmo;chegávamos, demorávamos dois dias a montar a tralha e desfrutávamos dos três meses.  Eu e a nha´irmã, já mais crescidas, passávamos os dias na praia com os nossos amigos e os meus pais, não tão adeptos de areia e de sol, preferiam descansar e passear.

 

Éramos campistas, mas não completos campistas. Éramos campistas  “assim-assim”. Havia sim, uma classe superior de campistas que eu admirava, dado a paixão e dedicação com que se entregavam àqueles dias de ócio.

 

Eram os campistas “à séria”.  Calçãozito pelo joelho, chinelo “Summertime” e a enorme barriga a passer ao sol. Por vezes, usavam um chapéu de palha com a fitinha da Ilha da Madeira, óculos de aviador e quase todos tinham a unha do mindinho bem crescidota, não fosse o comichão no rego dar sinal.  Era ouvi-los, a falarem alto, satisfeitos, a coçarem a pança e o escroto, e de vez em quando, bafejavam o litoral com um belo de um traque suavemente levado pela brisa de Agosto.

 

De manhã, levantavam-se bem cedo e faziam a higiene nas casas de banho do parque. Lá iam eles, os doutores, todos empertigados com o belo do rolo do papel higiénico debaixo do braço (para todos saberem que iam fazer cocó), e na outra mão,  o belo do balde de plástico transparente que continha os chichis e os cócós de toda a família. Sim, porque isto de andar a caminhar para o wc de madrugada é uma chatice!

 

O campista “à séria”, depois da higiene, toma o pequeno almoço com a família no interior da tenda. É pão, é queijo, são tostas e sumos, preparados tal e qual como em casa. De ressalvar que o campista “à séria”quando vai de férias, leva a tralha toda atrás, sem se esquecer do vaso das flores e da antena parabólica. Sei que ainda existem neste parque, roulottes que têm caixas do correio, pavimento exterior em azulejo, cozinhas totalmente equipadas, e televisores plasma.

 

Os preparativos para o almoço, começam logo a seguir à primeira refeição da manhã.  Às dez, já o foguereiro está aceso e o cheiro a pimento a pairar no ar. O dito campista, com a bela mini na mão, grita para o vizinho da frente os resultados do futebol da noite anterior e a meio da conversa, combina uma cartada lá para o final da tarde na sala de convívio. É vê-los bem redondinhos e vermelhos a jogar às cartas, enquanto os netos brigam uns com os outros para ver quem é o primeiro a “atirar ao gato”. Literalmente.

 

Este campista, nunca vai à praia. NUNCA. Nunca sai do parque. NUNCA.  É ali, naquela área geográfica que se movimenta e sente seguro.  Normalmente, passa as tardes na esplanada da tenda, a comer tremoços e a coçar os pés um no outro.

 

De noite, é aquele que não deixa dormir os vizinhos do lado. Por todo o parque, ecoam na madrugada os roncos profundos vindos do campista “à séria” que ignora os gritos do exterior que o mandam calar. O campista, este campista,  é livre. É senhor da sua roulotte (ou tenda), é alheio a todos os problemas do mundo, centrado só em si e no seu bem estar. O campista, este campista, é feliz com a sua barriga, com o facto de ter que fazer cocó num balde. É fiel aos seus hábitos e jamais se vergará aos novos campistas modernos de alpercatas e franjas que vão de Quechua, armados ao pingarelho.

 

PESO DA BARRIGA.jpg

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D