Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Unicórnio

O dia a dia de um Unicórnio. Suas inspirações, aventuras e desaires.

O dia a dia de um Unicórnio. Suas inspirações, aventuras e desaires.

O Unicórnio

11
Out16

As aldeias têm sempre gente muito estranha...


O Unicórnio

Há muitos e muitos anos atrás, chegou à aldeia uma companhia de circo itinerante. Montaram a barraca na campina e anunciaram pelas ruas,  “o maior espectáculo do mundo”.

Ora, não me indaguem sobre a veracidade da história porque a mesma aconteceu há mais de cinco décadas e o que sei e partilharei convosco, foi-me descrito por terceiros. Portanto considero-me isenta de responsabilidades, caso a mesma não corresponda de todo,  à verdade. 

Esta companhia - tal como todas as companhias de circo que percorriam as aldeias - era constituída por uma família de gente peculiar.  A matriarca, mulher de barba e corpo rijo, desconfiada e sinistra, ao ser afrontada por um azinhaguense que por ela passou e que não conseguiu ter tento na língua, deu logo a entender que não era mulher de se ficar. O pobre do homem, nunca tinha visto uma mulher com barba e precipitou-se a comentar  em voz alta para quem quis ouvir:

- “Mulher de barba era o que cá fazia falta cá na Azinhaga! Parece o cú de uma mula!” – gritou.

Ora, a brutamontes não teve meias medidas: desmontou-se do camelo que com sacrifício a carregava, e espetou três galhetas no homem, deixando-o com o nariz e um dente partido.

Tal como referi, a companhia de circo era formada por uma única família. A matriarca, esta grande bruta, era casada com um anão de cabelos até aos pés, mestre de cerimónias, malabarista e trapezista.

A avó da família, mãe da bruta, era feiticeira. Marreca e cega, dava consultas de tarot de porta em porta durante o dia, e nas noites de espectáculo, tocava trombone e, pasmem-se, executava números de contorcionismo.

Havia uma filha, a domadora de leões, a única da família sem problemas físicos e mentais. Diz, quem me contou a história, que a cachopa era linda como a Nossa Senhora: de cabelo comprido, loiro como o trigo, de profundos e vivaços olhos azuis, mas de substância e miolo esfaimado, tal belzebu em época de cio, pois inflamava tudo o que tivesse pila.

Dispensável será dizer que na aldeia não se falava noutra coisa e que todos esperavam pela primeira noite de circo. Uns, porque nunca tinham ido ao circo, outros, porque nunca tinham visto um anão e uma mulher barbuda, e a maioria, porque a rapariga era tão bonita que queriam vê-la de perto.

 

Deu-se a estreia e tudo correu tranquilamente. Cada artista cumpriu o seu papel, sem lapsos ou deslizes e o povo foi para casa, festivo e boquiaberto. Os homens, deitaram a cabeçorra na almofada e sonharam com a cachopa, as mulheres, amolaram as facas de cozinha, tal os ciúmes que sentiam dos maridos.

Por norma, estas companhias itinerantes estabeleciam-se nas povoações durante alguns meses, e lá ficavam até não haver público para o espectáculo. Ora, como já presumiram, a protagonista desta história é a domadora que tinha como rotina, passear-se durante o dia pela aldeia, montada num leão, submisso e obediente como um gato.

Os homens, sentados na praça, depois de um dia extenuante no campo, valiam-se para por a conversa em dia, mirando de soslaio a moça que se passeava pela aldeia a cavalo num felino.  

Um desses homens era o Alfredo. Rapaz bronzeado, bem apessoado, de traços trigueiros e encantador, mas que tinha tanto de encanto  como de emproado. Altivo, mulherengo, desordeiro, era um autêntico “cafajeste”. Secretamente acumulava o anseio de abeirar-se da rapariga e de lhe espetar um beijo nas trombas, pois seria mais uma para a sua interminável lista de conquistas.

 

Numa tarde em que o sol queimava à parva, a cachopa foi com o felino até ao rio Almonda para se banharem. A passo lento, atravessaram a aldeia até ao curso de água. À espreita, estava Alfredo.

Ao chegarem, moça e leão beberam água e de repente a rapariga sentiu que a apertavam na cintura. Era Alfredo, esse grande cabrão! Agarrou-a à força, indiferente ao gritos desesperados da rapariga clamando ajuda.

Não julgue o homem, que leão que se deixa acavalar, afagar e passear como se fosse um cão, gato ou porco, esquece o seu lado bravio. Não, não esquece, só o abafa. De uma só patada, cortou a garganta ao Alfredo, estando já morto quando caiu ao chão.

A rapariga e o seu animal fugiram, deixando o falecido a esvair-se nas marachas do rio, rodeado de populares que ouviram os gritos da rapariga. Ninguém a perseguiu procurando justiça e o circo abalou da aldeia. Naquele lugar, passados tantos anos, ainda florescem  dentes-de-leão da cor do sangue e se acharem porventura que é não passa de uma simples coincidência, estão enganados.

Ainda hoje lá passei e colhi um par que embelezam as jarras cá de casa.

lead_960.jpg

Fotografia da bruta, cedida pela pessoa que me contou a história.

2 comentários

  • Imagem de perfil

    O Unicórnio 18.11.2016

    Até parecem inventados. :)
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Sigam-me

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D