Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Unicórnio

O dia a dia de um Unicórnio. Suas inspirações, aventuras e desaires.

O dia a dia de um Unicórnio. Suas inspirações, aventuras e desaires.

O Unicórnio

15
Set16

O primeiro dia de aulas foi bom? Fico contente por vós. Muito.


O Unicórnio

Vestia uma blusa azul, calças de ganga e All Star. Não levava mochila, só um caderno A4 de capa preta e uma bic laranja. Era o meu primeiro dia de aulas numa escola pública e sentia-me como se fosse fazer uma colonoscopia.

Depois de alguns anos no Colégio de Santa Maria - tradicional, rigído e com algumas meninas  emproadas com quem não me idenfitificava -  finalmente ( e graças a Deus e a todos os seus Santos), iria para o ensino público. Sentia-me enfartada de tanta freira, tanta missa, de tanta comida sem sal, da bata de fazenda em pleno verão, de tantos preceitos e mariquices, e principalmente, de tanto mulherio.

Os nervos e a ansiedade foram sempre o meu inimigo número um. Escusado será dizer que a madrugada que antecedeu o primeiro dia de aulas na Escola Secundária do Entroncamento, foi passada em claro, a rezar Avé Marias e Pai Nossos, mendigando-Lhe que me ajudasse a ser aceite naquele liceu.  Tinha medo de não me integrar, não sabia nada de moda, de maquilhagem, de cabelos, de música e muito menos de rapazes. Nunca tinha tido colegas de carteira com pila, só patarecas a rodos sempre aos guinchos e aos pulos feitas parvas, e tudo seria novo naquela escola do capeta (no  bom sentido).

À entrada ficava a polivalente. Um recinto amplo com um pequeno palco e uma escadaria que servia de ninho aos adolescentes mais populares. Ao lado, o refeitório, e num corredor paralelo afixados nas paredes com pioneses coloridos, os horários de todas as turmas.

Um dos auxiliares, o Sr. Neves, que andava sempre com um sapato esfrangalhado e com os cantos da boca a espumejar, recebia os veteranos e os caloiros com uma hostilidade encenada, pois era a sua tática de manter o respeitinho e a distância daqueles adolescentes borbulhentos com as hormonas aos saltos.

Entrei na polivalente.  Respirei fundo e palavra, que o meu último suspiro foi ouvido em eco! Toda a minha jovem carcaça exalava medo e aqueles predadores de olfato apurado, deram logo por mim. Senti-me caça, um Bambi esquecido na floresta à procura de sua mãe, um Winnie de Poo desprotegido e abandonado no escuro, com uma feridinha na perna. Ninguém sabia que tinha vindo de uma escola particular, excepto duas raparigas ex-alunas do colégio que tinham saído anos antes de mim  e com medo que as denunciasse, (dado que agora eram tidas com as mazonas da escola), fizeram-me a vida negra nos primeiros meses. Perseguiam-me, insultavam-me e ameaçavam-me com tau tau, caso dissesse a alguém que anos atrás, tinham sido meninas de coro. O karma é lixado e a vingança veio mais tarde. Adiante.

 

Os alunos dividiam-se por grupos. Os betos, os metaleiros, os assim-assim, os cromos e o grupo dos que já tinham bigode, borbulhas com pus branco no queixo, óculos fundo de garrafa, dentes tortos, calças de tyrilene compradas no mercado e sapatilhas “Naike”. Não me inseri em nenhum dos grupos, apesar de ter características de todos.

 

Betos: Os rapazes vestiam pólo da Burberrys comprado no mercado, calça de ganga Levis, sapato vela. Elas, pólo da Benetton, argolas e fio de prata, cabelo aloirado. Tomavam banho todos os dias, forravam os dossiers com papel autocolante e tinham um estojo todo bonitinho comprado numa papelaria pela avó ou pela mãe. Chegavam à escola de carro e davam um beijinho de despedida aos papás. Bons alunos, eram os que subornavam os professores com elogios, sorrisos e enalteciam as profissões dos papás. Gostavam de ganzas.

 

Metaleiros: Mesmo com 40ºC vestiam camisola e calça preta preta apertada com alfinetes na lateral, tinham cabelos compridos lavados uma vez por semana e gostavam de abanar a cabeça ao som de gajos que regurgitavam e saltavam em cima do palco, enquanto faziam como que num ritual, um gesto com dois dedos, um sinal de reverência ao capeta, também conhecido por Ozzy Osbourne. Adoravam guitarras e eram exímios a tocar guitarra invisível. Diziam que adoravam o diabo, mas cagavam-se de medo quando faltava a luz em casa. Gostavam de snifar cola UHU e fumavam ganzas.

 

Assim-assim: eram tão tímidos, reservados e assustados, que há quem afirme que existam somente dois ou três exemplares desta espécie. Não há avistamento suficiente desta raça para que se possa fazer uma descrição sólida e verossímil.

 

Cromos: nunca faltavam às aulas, mas denunciavam os que faltavam. Eram bons alunos, mas egoístas e sovinas. Sentavam-se na primeira fila e no início do ano letivo já tinham lido a matéria a estudar. A maioria ambicionava entrar para Direito, História,  Ciências Farmacêuticas ou Medicina. A maioria toma antidepressivos e não consegue arranjar emprego por excesso de habilitações.

 

Entrei na polivalente, devagar, a medo. Ao longe, vi uma moça conhecida que vivia na  minha terra e para ela me dirigi aos saltinhos, feliz e contente por ver uma cara conhecida.

Era o meu primeiro dia de aulas. Era o meu primeiro dia de aulas naquela escola apinhada de rapazes e raparigas, críticos e maus. Pisei um atacador. Caí. No meio da polivalente. De joelhos. No meu primeiro dia de aulas.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D