Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Unicórnio

O dia a dia de um Unicórnio. Suas inspirações, aventuras e desaires.

O dia a dia de um Unicórnio. Suas inspirações, aventuras e desaires.

O Unicórnio

02
Fev16

Uma noite do pior! Parte I


O Unicórnio

NHS-Bto5-crying.gif

Imagem: alexhallatt.com/illos/illos.htm

 

Durante o banho, hora mágica em que me perco em pensamentos, atos e omissões, é a altura do dia em que tenho tempo de pensar na vidinha com mais calma. Há pouco, enquanto a máscara do Panténe fazia efeito e eu passava com a gillette no arvoredo de três semanas, lembrei-me de um episódio que se passou tinha o Francisco um mês e estávamos em casa dos meus pais.

 

O Francisco na altura e até aos três meses,  chorava 12 horas por dia, deixando qualquer um com vontade de se atirar escada abaixo ou de morder os pulsos até ficar exangue. Gritava sem parar e fazíamos de tudo para que aquele choro agudo e penetrante amainasse; cantávamos, bailávamos, mudávamos a fralda, víamos cada milímetro do seu corpinho, eu sei lá..., o meu pai até as músicas da igreja lhe cantava, mas nada resultava. Um mês mais tarde viemos a saber, como já contei noutro post, que o pastel de tentúgal sofria de refluxo o lhe provocava dores no esófago e daí o choro persistente.

 

Eu, que era pessoa ansiosa, stressada, nervosa, eléctrica, bruta e intratável no dia a dia, nestas situações que requeriam calma, ficava dez vezes pior e quanto mais o Francisco chorava, mais eu chorava, apesar das infrutíferas tentativas do mêrapaz para me acalmar. O moço lá vinha com palavras suaves e apaixonadas, acompanhadas de frases «tem calma ´nha dama que isto passa» e eu só não lhe dava bordoadas na tromba porque não lhe chegava (tem 1,95m de pessoa).

Nessa noite, o meu filho gritava há mais de três horas e eu com ele ao colo, acompanhando-o no berreiro, pois não aguentava vê-lo naquele sofrimento. Coloquei-o mais uma vez na mama (já o fizera há menos de meia hora), ele chupou e rejeitou. Tentei de novo e nada! Chorava mais ainda. Estranhei porque sempre fora um mamão de primeira e rejeitar-me a mama, era porque algo de muito grave se estava a passar!

«Não tenho leite» - pensei. Fui buscar a bomba manual, montei aquela porra, dei à manivela e nada. Nada saiu, nem uma pinga. Estava tão taralhoca que pensei que a bomba pudesse estar avariada. Liguei à minha amiga Élia Cassandra e pedi que me emprestasse a sua. O engraçado (agora acho graça, na altura nem um pouco), tudo isto se passava comigo aos berros, com as mamas de fora, o marido a acalmar-me, o meu pai a coçar a cabeça de um lado para o outro sem saber o que fazer e a minha mãe entretanto, conseguira acalmar o Francisco.

 

Chegara a bomba da Élia Cassandra. Coloquei a maquineta nas mamas. Nada. Nem pinga. Era oficial; o leite tinha-se escafedido. Comecei num pranto. Chorei, ralhei, bradei aos céus,  e no meio da parvoíce toda, apareceu a minha mãe de semblante sério e dedo em riste.

- «Unicórnio de Jesus, ou te acalmas ou levas dois pares de estalos. O leite não desaparece assim, estás tão nervosa que o bebé nem quer mamar e nem consegues tirar leite. Deita-te, dorme que quando acordares, verás que tudo estará dentro da normalidade».

Foi o que fiz. O Francisco entretanto adormecera no colo da minha mãe e resolvi acalmar-e deitar-me. Cinco horas depois, o Francisco acorda. Tiro-o do berço, meto-o na mama e a coisa-mais-rica-e-linda-de-sua-mãe mamou como se nada tivesse passado. 

 

Conclusão; o nosso estado emocional é que manda nisto tudo da maternidade. No leite, no comportamento do bebé e no restante. Por isso, tento a cada dia, tornar-me mais calma para ser uma melhor mãe e por estranho que pareça aos que me conhecem, estou a conseguir. Agora só sorrio e aceno, sorrio e aceno.

2 comentários

  • Imagem de perfil

    O Unicórnio 03.02.2016

    Graças a Deus.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Sigam-me

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D